domingo, maio 17, 2015

VIOLENCIA NO FUTEBOL


Guimarães: caos na rua com adeptos do Benfica e tiros de shotgun



Nesta questão da violência a rodear o Futebol, não há inocentes. Tradicionalmente,  em nome dos  Três Grandes, surgiam desacatos e pedradas à Polícia, etc. Ultimamente, o Braga e o Guimarães também passaram a exibir grupos de marginais que em seu nome praticam a violência como afirmação tribal das respectivas  cores.
Porém, convém ter presente que os Super Dragões, depois das cenas de assalto nas áreas de serviço que envergonhavam os outros Portistas, ultimamente têm andado menos parvos. Ao que julgo saber, o Clube falou com eles e fez-lhes entender o prejuízo institucional de tais condutas. Por outro lado, a  experiência europeia  acumulada desta claque  tem sido vantajosa, pois na Europa, a parvoíce significa multas.
Nos casos do Braga e Guimarães tem-se notado uma violência muito grande. Ainda o ano passado houve facada em Guimarães. E em Braga, ao que recordo, também tem havido sangue. Não conheço estas realidades sem ser pelas notícias.
No Sporting, a bomba-relógio vai explodir a qualquer momento. Mais recentemente, ficaram na memória o incêndio da Caixa de Segurança na Luz e o ataque dos Casuals no Dragão. Mas o jovem Presidente Bruno assenta o seu poder também nas claques, sendo que essa é a principal razão para a perigosidade. Já se assistiu a isso há 30/20 atrás com Pinto da Costa. No Sporting as claques estão envolvidas na luta pelo poder institucional.
No caso do Benfica, a situação é mais complicada. Desde logo porque o problema é maior em termos  quantitativos. Existem claques a funcionar à roda solta. Sabemos que Luis Filipe Vieira não controla as claques. Recordamos algumas assembleias gerais do Clube onde as claques até o colocaram fisicamente em causa. Daí talvez a dificuldade em "legalizar" as claques. Ultimamente onde o Benfica se desloque e onde não tenha maioria sociológica tem havido confusão. Na recepção aos outros  Grandes na Luz - excepcionando o ultimo ano - houve pedrada e carga policial  entre as Claques Benfiquistas e o Corpo de Intervenção. Na sede das claques no Estádio da Luz chegou a ser encontrada droga. Ou seja, as claques Benfiquistas estão infiltradas por elementos criminosos. Aquilo já não é só futebol.
Esta realidade é preocupante. Os adeptos dos Clubes têm que assumir,  em cada clube, a eliminação da violencia, mediante o condicionando das claques que se mostre mais eficaz.
Eu, o Bruno, o Lufra  - só para indicar ilustres adeptos dos três Grandes - e os demais adeptos temos o direito de ir ver um jogo sem correr perigo de vida, apresentado por  uma pedra voadora com origem num membro de uma claque qualquer.
Repito, não há inocentes nesta história, e as diferenças que enunciei significam  apenas a leitura do ponto actual da situação, não significa que eu defenda que uns são melhores que os outros. Embora ache que o FCPorto está mais adiantado do que os outros nesta obrigação colectiva de controlar as claques.

4 Comments:

Anonymous Lufra said...

Nunca gostei de ajuntamentos, nunca fui a um estádio ver um jogo, porque não suporto toda a estupidez que anda á volta do futebol.
Quanto ao jogos nacionais raramente perco tempo a ver um jogo, e menos ainda com as tricas à volta das decisões do arbitro, contento-me com o saber o resultado, e por vezes chatear os doentes, sou adepto de desporto por desporto.
Só perco tempo com jogos das selecções, especialmente da nossa, e com alguns jogos internacionais principalmente com clubes portugueses. Sou patriota.
Tenho uma pequena queda para o lado do Benfica principalmente porque durante muitos anos só tinha jogadores portugueses, e lamento muito que não continue assim.

20:23  
Anonymous Anónimo said...

Há muito que penso que as claques organizadas dos chamados três grandes são um ninho de marginais que se acobertam sob o manto dos respectivos clubes e não há melhores nem piores, são todos uma cambada de vândalos, os conscientes do que lá estão a fazer e os palermas bem intencionados mas que fanatizados pelos seus clubes se deixam levar na onda. Assisti in loco a jogos no Westfallenstadium em Dortmund e fiquei assombrado com a diferença em relação ao que se passa por cá... Famílias inteiras, muitas, com crianças pequenas no estádio num ambiente de verdadeira festa, com toda a segurança, sem os perigos a que assistimos cá! E sem ser enxovalhado à entrada por seguranças impreparadíssimos a apalpar-nos... Escusado será dizer que em Portugal deixei de frequentar estádios de futebol... Já agora, Guimarães era um dos dois estádios onde antes de tomar a decisão de deixar de ir ao futebol, já não ia...Perigoso!!!

21:16  
Blogger Bruno said...

Jogos à porta fechada dez jornadas chegava. Multa de 1 milhão EUR ao clube também chegava.
Partiram tudo em Guimarães, depois a culpa é da polícia que usou da força.

Não vou ao futebol por costume, nem vejo pela tv paga. E não tenho pena nenhuma. Seria altura era das tvs não propagarem tanto lixo adicional em relação ao futebol, não passando o mesmo, e dar relevo a outras modalidades.

13:33  
Anonymous Lufra said...

Provavelmente a maioria dos "ARRUACEIROS" não são lampiões, nem lagartos ou dragões, são bocais, arruaceiro, ladrões e carteiristas profissionais e que até tem um kit de camisolas e cachecóis para trocar conforme as conveniências, e até há os que usam fardas!

13:51  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home