quarta-feira, julho 13, 2016

NUNCA PENSEI USAR UM TEXTO DE JOANA AMARAL DIAS

Parece uma história de encantar. Na europa racista dos fortes com os fracos e fracos com os fortes, uma equipa dos PIGS, dos porcos, dos dégueulasse, nojentos, das femme de ménage com bigode e dos pedreiros dos bidonville, ganhou o caneco. Cum caneco.
É o dia em que o velho continente não é pertença e propriedade do eixo franco-alemão, nem das patroas do 6º arrondissement, nem da Goldman Sachs. Parece uma história de encantar. Uma equipa com um seleccionador humilde, católico devoto e confesso, meio ensimesmado e cachaço tenso, fora do estrelato do dente branco e do cantinho dos special ones, empata, empata, empata. Mas não perde. Não brilha mas não cai. Aguenta firme, não é obra de arte, arquitectura de arrebites e modernices, mas está ali firme, de pedra e cal. Fernando Santos, o engenheiro da electricidade, engenheiro da energia, dizia-se, tinha um único trunfo, o grande sétimo selo Cristiano Ronaldo, atleta de profissão. Parece uma história de encantar. Ninguém queria acreditar. Quase ninguém acreditava. E esse campeonato começado no dia 10 de junho, no dia de Portugal, havia de terminar em França, país hospedeiro mas pouco hospitaleiro.
França-Portugal, final do euro 2016. Foi o dia em que o imigrante português em terra gaulesa, “o avec”, foi, finalmente, vingado. Tantos anos cuspido para as margens, a esfregar latrinas e a ser cinicamente louvado como “grande trabalhador” para, por fim, mostrar aos franceses que está ali por direito. Os franceses estavam a jogar no seu território mas nós também. Paris é o delta da diáspora portuguesa e o Stade de France, ali na Saint-Dennis dos nossos avós, foi construído com as mãos, o sangue, o suor e as lágrimas do trolha tuga. Jogámos em casa.
Uma história para contar. A equipa do comandante discreto e da estrela fulgurante entrou em campo depois de mais vexames. Sanção para aqui, má imprensa desportiva para acolá. Dez minutos e um médio francês, cujo nome nunca ficará para a história, pobre diabo, joga sujo, bem porco, contra CR7. Rei Ronaldo ainda insiste mas acaba por sair lesionado e em lágrimas. Sentado no relvado, enquanto chorava de dor e raiva, uma borboleta poisa-lhe na na pálpebra, como se fosse borboleta com borboleta. Mas não uma bonita, de encher o olho, como a Rainha Alexandra ou a Esmeralda. Uma vulgar traça, um patinho feio do mundo panapanás, como uma selecção degoulasse. A borboleta feiosa beijou o olho choroso do capitão. E o tempo foi bonito.
A equipa tomou-se de revoltas fidagais, gritou chega de humilhações e desdém, basta de rebaixar. Corações ao alto, peito feito, olho vivo e pé ligeiro. Afinal, não estavam decapitados, afinal erguia-se um gigante. Golias tremeu. E quando a morte súbita já espreitava sobre o ombro, Éder, o órfão dos arrabaldes de Coimbra, da Adémia terra de enguias e comboios, outro maldito desta vida e desta selecção, outro herói inesperado, dispara, marca, resolve, ganha, vence. Portugal festeja, finalmente festeja, finalmente alegre. Portugal ergue os seus luso-africanos, luso-brasileiros, os seus luso-franceses e o seu cigano português. Portugal pode ser essa mistura, sopa da pedra, rapa o tacho, desenrasca, safa e já está. Pátria amada, amor de mãe, frança 2016. A memória ficará tatuada. Santos da casa fazem milagres.

domingo, julho 03, 2016

SÓ VOS DIGO UMA COISA: É TRAMADO

Numa escala de dor de 1 a 10,  o ombro congelado andou  por uns constantes 7 de noite e de dia,  atingindo  9 com facilidade durante a mobilização em fisioterapia. Não refiro o máximo de 10 porque só desmaiei  de dor uma vez em casa com um puxão do ombro ao fugir em reflexo de uma queimadela no fogão. Com opiácios, isto aguenta-se pelos 2 ou 3 sem manipulação. Nunca pensei que fosse assim. Amanhã vou à primeira sessão de fisioterapia com analgésicos. Como as anteriores foram a sangue frio, confio que desta vez não venha a lágrima ao olho.
Nos meus tempos de jovem nunca experimentei drogas. Ultimamente, porém, só me apetece cantar Kumbaya... Vá-se lá perceber porquê....

sexta-feira, junho 24, 2016

NEM AS TRABÉCULAS ME POUPARAM



sábado, junho 18, 2016

O MEU FOI PARECIDO

Eu apresentei-me pela direita....Ainda por cima o verde estava a meu favor

terça-feira, junho 14, 2016

A EMIGRAÇÃO DOS PROFESSORES SEGUNDO SANTO ANTÓNIO COSTA


Do meu ponto de vista o que António Costa diz é perfeitamente razoável. Aliás, como fora o que Passos Coelho dissera. O que está em causa é este discurso repugnante da esquerda que se indigna com toda e qualquer merdice, que se arma em vítima e em virgem ofendida a propósito de qualquer caso que consiga lançar na comunicação social com a cumplicidade do ronhoso jornalismo de referência. É por isso que a esquerda é intelectualmente asquerosa. É batoteira. É intelectualmente porca e rasteira.

sexta-feira, junho 10, 2016

TAMBÉM JÁ PASSEI EM GIMONDE....


"Estava na povoação de Gimonde, junto à ponte sobre o Rio que lhe dá o nome. Tinha descido consecutivamente cerca de 14 Km desde uma povoação chamada Milhão, onde furara na roda da frente, aproveitando para mudar a câmara-de-ar numa sombra à beira da estrada onde fluía um fio de água fresca da montanha que me abasteceu os cantis e 
me refrescou a cara e os braços"

Dedicado à Beatriz e Família que estão a passar este Fds com  vista para o Rio Gimonde.

quinta-feira, junho 09, 2016

INFORMAÇÃO PARA OS AMIGOS

A Seguradora assumiu finalmente a responsabilidade pelo sinistro. Mas continua armada em parva. Já comecei tarde a a más horas com a fisioterapia.  Entretanto o outro gajo  chegou a usar  testemunhas que nem sequer estavam no local do acidente e que entraram em contradição. Logo que estiver curado, tenciono ir pedir a cada uma dessas testemunhas que me relate pessoalmente como aconteceu o acidente. Aceito inscrições para o espectáculo que será certamente memorável.

A HABITUAL SERIEDADE DOS GOVERNANTES DA ESQUERDA

A ver se nos entendemos: A Senhora Secretária de Estado da Educação, Senhora Professora Doutora Alexandra Leitão com aquele ar que as gajas de esquerda acham ser parte integrante do kit ideológico respectivo, massacrou-nos em sucessivas intervenções televisivas em defesa da Escola Publica e num ataque cerrado ao Ensino Privado, etc e tal. Todos nos lembramos do discurso e das verdades absolutas vomitadas com o ar esgazeado daqueles que são detentores dos segredos verdadeiros da vida. Por contraposição a todos nós que somos umas pobres bestas ignorantes. Mas na hora da verdade ficamos a saber que a mesma Secretária de Estado tem as suas filhas a estudar numa Escola Privada. Por acaso uma das mais selectivas e caras em Portugal. Ora bem, só há uma reacção para isto: Oh Senhora Secretária de Estado Adjunta da Educação, vá gozar com o camões, está bem? Num país a sério um governante nesta situação demitia-se. por cá provavelmente será condecorado.