sábado, setembro 03, 2016

MACRO-ECONOMIA POR QUEM TEM 5 ANOS DE IDADE



O modelo orçamental socialista, o tal anti-austeridade, baseava-se numa lógica muito simples. O Estado distribuía mais dinheiro pelas famílias, as famílias passavam a consumir mais e isso aumentava a procura interna o que iria provocar duas coisas: as empresas investiam mais para aumentar a produção que correspondesse àquele aumento do consumo, e as empresas tinham que criar mais empregos para corresponder àquele aumento de consumo. Em paralelo a este aumento do investimento privado, o Estado dava uma ajuda e aumentava o Investimento Público, o que tudo junto fazia diminuir o desemprego e fazia aumentar o PIB. Ou seja, era a matriz do Senhor Keynes aplicada mais uma vez. Passados 9 meses, o consumo privado que deveria ser o motor de iria acelerar a economia não cresceu. Apesar da reposição dos cortes da Função Pública e de todo o dinheiro que foi devolvido às famílias (que vivem dos rendimentos do Estado), o consumo não explodiu. O Investimento global, o privado mais o público, está negativo, e o PIB está a crescer a uma taxa de metade do previsto. Aliás, a metade da taxa que crescia o ano passado quando estava em vigor o modelo da austeridade, o tal que era ruim como as cobras.
Ou seja, o modelo económico dos socialistas que serviu para fazer o orçamento de 2016 estava errado. Por uma simples razão: é que não se pode entender a economia pela defesa de um grupo que traduza a base eleitoral de um partido. Favorecer apenas a Função Pública não chega para dinamizar a economia. O que o Governo deu a mais à FB tirou-o à economia no seu conjunto, através dos impostos indirectos (combustíves) que aumentou. E muito do que deu à FB acabou por o tirar através de aumentos de impostos directos como o IMI. Aumentar o rendimento disponível da FP para aumentar o investimento privado é uma estupidez. O Funcionário Público com mais rendimento não vai investir em Portugal, vai trocar de carro, e a vantagem do aumento desse consumo vai para a Alemanha ou vai fazer férias no Estrangeiro. O privado, aquele que não trabalha para o Estado, é que investe em Portugal, no seu pequeno negócio unipessoal. Os socialistas nunca perceberam isto, porque são todos Funcionários Públicos e a experiência mais relevante da vida deles é o dinheiro a cair-lhes dia 23 certinho na respectiva conta bancária. Um dia destes vou explicar porque a doutrina do Senhor Keynes já não pode ser aplicada em Portugal desde que estamos no Euro e desde que não temos fronteiras.

1 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Caro Xiclista, vai ter de explicar isso muito devagarinho para que os socialistas percebam.

Rui

13:30  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home