quarta-feira, junho 12, 2013

ALCACHOFRA

Era a  fogueira da noite de Santo António. O combustível era  peles dos vimes, sub-produto de  uma pequena fábrica de empalhamento de garrafões de vidro. Os miúdos desde o início do mês que iam trazendo as carradas de peles de vime em suadas  padiolas.  À noite acendia-se a  fogueira. Os vizinhos adultos traziam petiscos  e ofereciam-se reciprocamente pasteis de bacalhau ou fatias de bolo. Por vezes surgia uma cabaz de sardinhas que um vizinho mais afoito ia buscar ao cais de Peniche. No final, no borralho, chamuscava-se  clandestinamente uma alcachofra e guardava-se num local secreto. Se no dia seguinte florisse era porque o amor era correspondido. Mas não havia ainda qualquer amor. Era só a tradição da alcachofra.

2 Comments:

Blogger Victor Plastikman said...

Ainda me lembro de ; Fazer numa caixa de cartão o Altar com o Santo posto , e andar a pedir um tostãozinho para o santo António sempre que alguem passava . " tempos né ? " .

19:26  
Blogger carneiro said...

na minha província não se usavam nem os altares nem as cascatas.

23:05  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home